contato@periciaeletrica.com.br | (41) 3011-3611 | Curitiba-PR

Atualmente, os profissionais possuem dúvidas sobre nomeação de perito judicial. Afinal, a área pericial vem chamando a atenção de diversos profissionais, entre eles os da área elétrica. Contudo, é um grande desafio conseguir a primeira nomeação. Do mesmo modo os profissionais se sentem um pouco perdidos, independente do nível de capacitação, portanto muitos nem tentam seguir na área e acabam se frustrando.

Em primeiro lugar, o objetivo desse post é ajudar você, independente da profissão, e dar algumas dicas para conseguir nomeação na área de perícia. Além disso, esse artigo serve tanto para profissionais recém formados quanto  para os com mais anos de casa. Seja na área elétrica ou em outra área de atuação, as dúvidas são as mesmas: como ser nomeado?

Nesse artigo você descobrirá:

  • Passos para se tornar perito judicial
  • 6 dicas para ser nomeado
  • Dica final para os profissionais da área elétrica

Se você quiser se aprofundar ainda mais na área, temos esse conteúdo onde o engenheiro Daniel fala sobre como se tornar perito judicial

 

Passos para se tornar perito judicial

 

Primeiramente, existem sim alguns passos que o profissional deve dar antes de se tornar perito judicial. Assim, é necessário estar formado em algum curso técnico ou graduação. Essa é a primeira exigência, pois não há como um leigo opinar sobre algo específico se ele não é especialista e a maneira de se provar isso é através do diploma ou certificado de conclusão.

Caso você esteja começando e quer aprender mais sobre como se tornar perito judicial é só clicar na matéria abaixo:

Como se tornar um perito judicial?

O segundo passo é possuir registro ativo no conselho de classe. Por exemplo, CREA, CFT, CRM, CRO etc. Para ser perito judicial necessita- se possuir registro ativo no seu respectivo conselho. Em outras palavras, somente profissionais habilitados podem atuar como perito judicial.

O último passo é se cadastrar no tribunal de justiça do seu estado. Esse é um passo importante, pois é assim que a justiça saberá que uma pessoa quer atuar como perito judicial. Atualmente, cada tribunal possui as suas próprias exigências para cadastrar peritos. Normalmente pedem uma foto, um currículo atualizado e os locais onde o perito quer atuar.

Cabe ainda ressaltar que quem faz a nomeação do perito judicial é sempre uma vara cível. Do mesmo modo, o perito judicial não atua na vara criminal e nem na vara da família, somente nas varas cíveis.

Agora, existem algumas dicas que o perito pode seguir para aumentar as chances de ser nomeado.

 

Perito judicial: 6 dicas para ser nomeado

 

Desde já, as seis dicas que iremos passar baseiam- se nas boas práticas que utilizamos no dia a dia. É prática pura de quem já teve um sonho em ser perito judicial e conseguiu diversas nomeações. No início é difícil e a área é concorrida, portanto é necessário se diferenciar e isso ocorre fazendo mais do que a maioria faz. A grande maioria dos profissionais acha que quanto mais conhecimento técnico melhor, ou seja, maiores as chances de nomeações. Contudo, isso é pura ilusão.

Não pensem que o conhecimento técnico não é importante. Ele é sim, mas é só a ponta do iceberg, pois de nada adianta fazer diversos cursos na área de atuação se você não consegue a bendita nomeação. Desse modo, essas seis dicas servem tanto para os profissionais iniciantes quanto para os que já tem experiência e querem aumentar a quantidade de perícias.

Primeiramente, tenha um CV atualizado, bem elaborado e com um layout chamativo. Pode parecer besteira, mas a maioria peca nisso. Não existe regra aqui para fazer um bom CV, porém a única sugestão é que seja somente uma página e que contenha os seus dados de contato atualizados. Nesse sentido, existem diversos modelos prontos na internet, no próprio Word ou até em sites especializados como o Canva. Fica a lição de casa, faça um bom CV,  pois é o cartão de visitas do perito judicial.

A segunda dica é conhecer o endereço e horário de funcionamento da comarca que você quer atuar. Normalmente, é o fórum da sua cidade. Isso você pode adquirir na internet, nos próprios sites dos tribunais de justiça. As varas cíveis localizam- se nas comarcas mas recomenda- se você ligar antes e realmente perguntar se elas ainda estão lá. Mudanças acontecem e os sites podem demorar para atualizarem- se.

Recomendo ligar para a vara cível e se apresentar. Sobretudo, essa é uma das dicas de ouro, pois cabe ao perito judicial vender seus serviços, caso queira se diferenciar. Contudo, a vantagem é que você está vendendo algo que a outra pessoa precisa e ela sabe que precisa. Nesse sentido, não tem discurso pronto, uma simples ligação pedindo para atuar junto a vara cível já é suficiente. É interessante tentar falar com o chefe do cartório cível. Se você se sentir mais confortável recomendo marcar uma reunião presencial e levar seu CV atualizado.

A quarta dica é a continuação da terceira. Afinal, caso você opte por ir presencialmente até a vara cível vá com hora marcada, pois não recomendo chegar de repente Já que existe grande chance da pessoa responsável estar ocupada ou estar trabalhando em home office. Do mesmo modo, se você for na reunião se visita de maneira adequada, o judiciário tem regras de vestimenta próprias. Não precisa ir de terno, mas uma calça jeans, camisa e sapato social já ajudam. E não se esqueça de levar o seu CV. Nessa reunião se mostre interessado e deixe a disposição para nomeações. É interessante também pedir uma oportunidade.

Não esqueça de levar o currículo resumido

Agora que você fez todos esses passos, o que falta? Na prática, recomendo descobrir o endereço de e-mail da vara cível e enviar um e-mail de apresentação. Não esqueça de anexar o seu CV. É uma das maneiras de lembrarem de você. Essa é a quinta dica.

A sexta dica é manter essa boa prática e fazer esses passos periodicamente. Por exemplo, a cada dois ou três meses. Bem como, ir nas varas cíveis que você já foi e se apresentar novamente, sempre pedindo uma oportunidade para atuar. Então, não se esqueça que a área pericial é ampla e concorrida e provavelmente já existe um perito que é nomeado constantemente. Agora, ele pode estar deixando a desejar em algum aspecto. Isso você pode descobrir conversando com o chefe do cartório.

 

Dica final para os profissionais da área elétrica

 

Primeiramente, para os profissionais da área elétrica a dica final é: Tenham calma. Afinal, as nomeações dependem totalmente da justiça e elas podem ser rápidas ou lentas. Por exemplo, é comum os alunos relatarem que demoraram “X” tempo para conseguir a primeira nomeação. Contudo, esse “X” pode ser alguns dias ou até meses.

Sobretudo, recomenda-se pensar em uma estratégia comercial nessa área e no discurso que você fará junto à vara cível. Esse ponto é importante, pois muitas vezes a justiça pensa que não tem demanda na área elétrica, ou que ela é escassa, levando o profissional a desistir da área, sem nem ao menos tentar para valer.

Inicialmente, as principais demandas na área elétrica são de ressarcimento de danos elétricos e de fraude no consumo de energia.

A de ressarcimento de danos ocorre quando queima um equipamento do consumidor e este entra na justiça contra a concessionária de energia.

Já a de fraude ocorre quando há um problema no medidor de energia, a concessionária emite um TOI e multa. Nesse momento, o consumidor pode entrar judicialmente contra a concessionária, questionando o valor da multa.

Cada perícia é única, não existe resposta pronta. Caso você queira descobrir mais deixo esses artigos das principais perícias da área elétrica.

O que é uma perícia de ressarcimento de danos elétricos

“Furto” de energia elétrica – Como proceder em situações como essa

 

Clique no link abaixo e conheça os nossos treinamentos de Perícia Judicial para Peritos(as):

Próximas turmas dos cursos ao vivo de Perícia Elétrica Judicial

Por | 2022-04-17T10:09:32-03:00 março 21st, 2022|Perícia Judicial|

Sobre o autor:

| Engenheiro eletricista | Mestre em engenharia elétrica | Professor universitário | Fundador da AJL Perícia elétrica. Atua com perícia judicial desde 2017 e é o instrutor responsável pelo curso de ressarcimento de danos elétricos. Atua também na area extrajudicial com assistência técnica e laudo para crédito de ICMS.

Deixe um comentário!

WhatsApp chat