contato@periciaeletrica.com.br | (41) 3011-3611 | Curitiba-PR

Esse conteúdo tem como objetivo contribuir com os profissionais que já atuam no setor elétrico e possuem  conhecimento de eletricidade.

Mini disjuntores

 

Os mini disjuntores (lado esquerdo da foto) tem capacidade de interrupção de pequenos valores de corrente. Os valores de corrente mudam de acordo com o fabricante, em geral iremos encontrar faixas de atuação de 2A até 125A.

Tem capacidade de suportar pequenos valores de corrente de curto-circuito, geralmente variam de 3kA até 20kA. Quando menor o nível de curto-circuito mais barato é o disjuntor. Lembrando que o barato pode sair caro se não estiver dimensionado de maneira correta.

São muito utilizados em circuitos terminais em todas instalações elétricas.

Esse tipo de disjuntor não é recomendado para fazer a proteção de motores. Ele pode desligar instantaneamente durante a corrente de partida do motor se for subdimensionado. Se aumentar o valor da corrente nominal do disjuntor em caso de sobrecarga no motor ele não irã atuar. Para proteção de sobrecarga nos motores elétricos é necessário utilizar um relé térmico.

As curvas de atuação instantânea dos mini disjuntores, são definidas pela NBR NM 60898 como segue:

Curva B: 3 a 5 x In (corrente nominal do disjuntor);

Curva C: 5 a 10 x In;

Curva D: 10 a 20 x In.

Para proteção contra sobrecargas, atendendo as exigência da NBR 5410, deve ser mantido o critério abaixo:

IB ≤ In ≤ Iz (condição normal)

I2 ≤ 1,45 Iz (sobrecaga – atuação do disjuntor)

Onde:

IB é a corrente de projeto do circuito;

In é a corrente nominal do disjuntor;

Iz é a capacidade de condução de corrente dos condutores do circuito, nas condições de instalação previstas;

I2 é a corrente convencional de atuação.

 

Disjuntores caixa moldada

 

Os disjuntores caixa moldada (no centro da foto) tem como objetivo principal a interrupção de grandes valores de energia usando uma dimensão compacta.

Em termos práticos iremos encontrar esses disjuntores com valores de corrente até 3.200A podendo interromper correntes de curto-circuito com valores próximos de 200 kA

A unidade de disparo muda de acordo com o modelo, podendo ter uma atuação magnética, termomagnética ou eletrônica.

 

Disjuntores caixa aberta

 

São disjuntores caixa aberta (lado direito da foto) são mais robustos, usados em instalações elétricas de grande porte, tais como: indústrias, usinas, subestações, etc. Os comercializados no Brasil no momento possuem capacidade de interrupção de corrente até 6.300A, suportando correntes de curto-circuito acima de 300kA, de acordo com o modelo.

Possuem uma vasta gama de proteção e ajustes, tais como:

Função L – Retardo de longa duração (proteção contra sobrecarga);

Função S – Retardo de curta duração (Proteção contra curto-circuito com retardo de curta duração);

Função I – Proteção contra curto-circuito (instantânea);

Função N – Proteção de condutor neutro;

Função G – Proteção de falta à terra.

De acordo com o fabricante são oferecidas diversas funções adicionais de maneira opcional, tais como: corrente residual, proteção contra curto-circuito direcional, com retardo de tempo ajustável, proteção contra desequilíbrio da fase, proteção contra sobretemperatura, proteção contra subtensão, proteção contra sobretensão, entre outras.

Esses disjuntores requerem altos investimentos, no entanto, permitem que as instalações elétricas tenham uma grande flexibilidade em termos de operação, coordenação e seletividade.

 

Cuidados durante a compra e a instalação dos disjuntores

 

Evite comprar materiais elétricos de fabricantes com baixa procedência no mercado. Muitos fabricantes colocam produtos no mercado sem passar por ensaios elétricos.

Além de possuir uma vida útil reduzida, esse tipo de dispositivo pode não atuar corretamente quando necessário ou provocar um curto-circuito ou explosão durante a sua operação.

Fique atendo aos níveis de curto-circuito da edificação e compre dispositivos compatíveis com o nível de curto-circuito no local onde ele será instalado.

Nunca instale mini disjuntores para proteger banco de capacitores. Os bancos de capacitores possuem elevado nível de curto-circuito, sendo mais indicado efetuar uma proteção com fusível ou no mínimo disjuntor caixa moldada, respeitando as recomendações do fabricante.

Em caso de dúvida consulte os fabricantes ou contrate uma empresa para elaborar um projeto e especificar os dispositivos de acordo com a sua necessidade.

 

Veja também:

Manutenção elétrica em condomínios – Cuidados ao contratar um eletricista

5 motivos para não fazer um projeto elétrico

Vistoria elétrica periódica reduz risco de incêndio

Quanto ganha um engenheiro eletricista recém formado?

 

Compartilhe com seus amigos!
Por | 2019-06-23T18:52:19-03:00 fevereiro 2nd, 2019|Dicas técnicas|

Sobre o autor:

Daniel Machado Duarte
MBA em Gestão Comercial | Engenheiro Eletricista | Eletrotécnico | Técnico em Contabilidade| . Trabalhou como eletricista de redes de distribuição, técnico de projetos, fiscalização de obras, comissionamento e ensaios de equipamentos elétricos em redes de distribuição e usinas hidroelétricas. Fundou a empresa D&M Perícia Elétrica em 2014 e atualmente presta diversos serviços de consultoria elétrica para empresas e condomínios no Brasil.

Deixe um comentário!

Inspeção Elétrica

WhatsApp chat