contato@periciaeletrica.com.br | (41) 3011-3611 | Curitiba-PR

Os centros urbanos e industriais estão sempre em constante crescimento. Com isso, o sistema elétrico precisa acompanhar essa demanda desafiadora.

Diversas técnicas são empregadas para que os equipamentos do sistema de distribuição e transmissão de energia estejam em constante operação para levar energia de qualidade aos consumidores e sem falhas. Para que isto seja garantido, a termografia surge como uma ferramenta de manutenção e obtenção de níveis de qualidade no fornecimento de energia elétrica.

 

Normativas da ANEEL para termografia

 

Segundo a Resolução Normativa 669, da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), promulgada em 14 de julho de 2015, a termografia é uma atividade essencial e mínima para manutenção preditiva de subestações e seus equipamentos da rede de distribuição de energia. Tal inspeção, de acordo com a mesma resolução, deve ocorrer semestralmente, com tolerância de um mês, com justificativa plausível para o uso do tempo de tolerância. Entretanto, caso tal determinação não seja cumprida, a concessionária ou empresa responsável pela manutenção do sistema, é passível de penalização e multa, em caso de fiscalizações.

 

Parâmetros técnicos da análise térmica

 

Emissividade

 

A emissividade dos materiais não é uma propriedade simples de obter. Esta depende de outras variáveis como tamanho, formato, rugosidade, ângulo de observação e outras. Define-se como emissividade, a capacidade de emissão de energia por radiação térmica a partir de sua superfície. Este parâmetro é calculado a partir da seguinte fórmula:

Emissividade termografia

Sendo:

Eλ = é a emitância espectral do corpo real a um dado comprimento de onda e temperatura.

Eλ,b = é a emitância espectral do corpo negro à mesma temperatura e comprimento de onda do corpo real.

A maioria dos equipamentos elétricos é constituída de elementos metálicos e estes possuem emissividade relativamente alta que aumenta rapidamente com o avanço da temperatura.

 

Temperatura de referência

 

É a temperatura do objeto em regime e condições permanentes, seguindo especificações referenciais do fabricante a partir do meio em que o equipamento está inserido.

 

Temperatura máxima admissível

 

É a temperatura máxima que o equipamento elétrico pode operar em regime permanente. Caso o máximo valor admissível seja alcançado, diz-se que este equipamento se encontra sob falha e/ou anomalia térmica, necessitando de manutenção imediata.

 

Carga elétrica

 

As termografias em redes de distribuição devem ocorrer em horários estratégicos, para que se consiga captar pontos de aquecimento que estarão em evidência quando submetidos à um valor acentuado de carga. Diversas distribuidora de energia recomendam que estas inspeções ocorram nos horários em que os alimentadores estejam com no mínimo 60% da sua carga nominal, para que se registre os dados com fidelidade.

 

Posicionamento do inspetor durante a termografia

 

A posição corporal do inspetor deve ser a mais correta, para que os registros térmicos sejam os mais precisos possíveis. O inspetor deve evitar a posição “frente ao sol” e preferir a posição de “sombra ao poste”, para evitar a incidência de raios solares sobre o termovisor.

 

Figura 1: Inspetor executando termografia

 

Condições ambientais

 

A incidência de raios solares, chuvas, nebulosidade, ação de ventos e presença de árvores podem comprometer a qualidade do registro termográfico. A figura 2 apresenta uma termografia malsucedida pela quantidade de árvores dispostas no circuito a ser inspecionado. As palhas de coqueiro impedem a visualização total do equipamento e a distinção da localização de uma possível anomalia, além de que, o próprio vegetal pode ser facilmente confundido com um ponto quente.

 

termografia 1

Figura 2: Termografia parcial de um equipamento próximo a vegetação

 

Equipamentos passíveis de inspeção termográfica em redes de distribuição

 

Dentro da variedade de equipamentos dispostos em circuitos de distribuição energia, as chaves religadoras, seccionadoras, fusíveis, muflas, além de conectores são elementos que apresentam grande risco de pontos quentes, devido a susceptibilidade de falhas térmicas, devido sua composição metálica e partes conectivas.

 

Impactos e benefícios da termografia

 

O recurso termográfico é uma importante ferramenta no cenário elétrico por diminuir o número de interrupções no fornecimento a consumidores. Isto se dá pela antecipação do conhecimento de inconformidades no sistema que podem levar os equipamentos à falha. É possível perceber que a utilização do ensaio não-destrutivo em questão, apresenta retornos positivos, possibilitando que se obtenham maiores níveis de equipamentos manutenidos, reduzindo percentuais de falhas, despesas com multas e indicadores de continuidade da energia como DEC (Duração Equivalente de Interrupção) e FEC (Frequência Equivalente de Interrupção).

Desse modo, se realizado por profissionais habilitados e qualificados, a termografia é viável economicamente, garantindo de modo eficiente a detecção de possíveis pontos de defeitos e antecipando a correção das falhas.

 

Veja também:

Inspeção da temperatura em instalações elétricas

Aquecimento em cabos e conexões: perigos e cuidados

Quando fazer uma manutenção elétrica?

Compartilhe com seus amigos!
Por | 2020-04-24T09:23:15-03:00 março 25th, 2019|Dicas técnicas|

Sobre o autor:

Ivan França
Engenheiro Eletricista na Empresa SmartEng - Serviços de Engenharia/ Pós-graduando em Sistemas Elétricos de Potência e Controlador de Operações do Sistema Elétrico. Possui amplo conhecimento em manutenção e operação de sistemas de distribuição de energia, além de atuar nas áreas de projeto elétrico e eficiência energética. Realizo palestras e treinamentos voltados ao setor elétrico.

Deixe um comentário!

WhatsApp chat